segunda-feira, 12 de março de 2012

De visita na casa dos outros, como se comportar?

Quando eu era menina, costumava ir à casa da Juliana para brincar. Às vezes dormia lá, e sempre fui bem vinda pela família dela. Minha mãe sempre dizia: Se comporte na casa dos outros. Lave seu prato depois de comer, elogie a comida, fale baixo para não incomodar ninguém. Agradeça por tudo quando for embora. Se alguém te oferecer algo diga não e só aceite se a pessoa insistir. Se alguém te oferecer sorvete na praia, não escolha os mais caros.

Levou um tempo para cair a ficha, mas eu sou como uma visita aqui na Noruega. Até o dia em que eu falar norueguês fluentemente e ser radicada aqui, sou apenas mais um visitante. Portanto, as mesmas regras de etiqueta que minha mãezinha me ensinou para quando fosse dormir fora são válidas para mim agora que moro fora do Brasil.

  Não falar alto. Ta aí uma coisa difícil para mim, ainda mais quando me empolgo com algum assunto. Ainda mais quando estou falando minha língua que amo tanto. Mas tá aí um erro cometido por muitos estrangeiros aqui. Não percebem que são visita. Que para os donos da casa, ouvir alguém berrando uma língua que eles não entendem, nada mais é do que barulho. Incomoda.

  Quando eu comia na casa da Juliana, eu não comparava a comida da casa dela com a da minha. Eu não constrangia a família dela dizendo que a comida da minha avó era melhor. Esse comentário eu poderia até fazer, mas na minha casa, para a minha família. E hoje, refletindo, me lembro de quantas vezes eu disse à noruegueses que a carne do Brasil era mil vezes melhor, que no Brasil temos sucos naturais, muita variedade disso e daquilo, etc e tal. Nossa, demorou mas a ficha caiu, eu estava esse tempo todo sendo grosseira. Sentir saudades da comida brasileira é normal, mas eu deveria ter deixado pra comentar essas coisas em casa, não na casa deles. Acho que, se a família da Juliana fosse mal educada, e se eu começasse a comparar como era na minha casa com a casa dela, eles teriam me dito: Então volte para lá. Ainda bem que não aconteceu assim.
  Talvez a casa da Jú não fosse tão limpa como a minha. Infelizmente eu iria reparar isso, apesar deles terem aberto a porta da casa/intimidade deles para eu entrar, terem me recebido, ainda assim eu iria reparar nisso, é humano. Mas jamais eu iria dizer isso para a Juliana. Esse tipo de comentário, até uma criança tem discernimento para não fazer. Porque seria diferente com essa longa visita que estou fazendo aqui? Ao invés disso, já que estou morando, posso ajudar nas tarefas da casa. Coisa que minha mãe me ensinou também. "Se for passar férias com alguém, ajude. Não se torne um peso para os outros carregarem". Pois é. Deus me livre de me tornar um peso para a sociedade carregar. Prefiro ter orgulho próprio e trabalhar.

  Quando eu ia para a casa da Juliana, eu ia lá para brincar com ela. Se a família dela fosse simpática e conversasse comigo era legal, se eles sorrissem eu sorriria de volta. Mas independentemente do comportamento deles, eu tinha que cumprimentar quando chegasse e quando fosse embora. Engraçado mas quando me mudei pra Noruega, por causa do H.P. eu esperava que todos fossem simpáticos e puxassem assunto comigo, quisessem saber da minha casa, do meu país, não é mesmo? Como posso reclamar dos noruegueses se eu vim aqui para brincar com o H.P.? kkkkkk

  Aqui, na casa dele, que também é a minha casa agora, eu tiro os sapatos antes de entrar, coisa que eu não fazia na casa em que eu nasci. Cada lugar com seus costumes, cada casa com suas regras, cada família com seus membros. Uns são simpáticos, outros não, uns educados, outros pouco, uns curiosos sobre você, mas nem todos, uns tem paciência com crianças ( e nós, novatos na terra deles somos de certa forma crianças), outros não, uns generosos, outros mesquinhos, uns gostam de receber visita, outros gostam de preservar sua privacidade do olhar do outro, especialmente os que vem de fora, pois trazem um outro ponto de vista e comparam tudo- podendo incomodar profundamente quem não está disposto a ouvir que para aquele visitante, tudo na casa onde ele nasceu é melhor.

21 comentários:

  1. Meu sonho (atualmente, na verdade tem uns anos) é ir a Noruega, por isso a tempos tenho pesquisado e achei teu blog, fico cada vez com mais vontade, que bom que você segue postando por que os outros blogs de Brasileiros já estão em hiatus, com certeza ler seu blog vai além de me agussar muito, me ajudar, beijos.

    ResponderExcluir
  2. Este é um texto inteligente, parabéns. Nunca tinha pensado nesta forma de ver as coisas. A analogia que faz com a sua amiguinha é perfeita. Abriu-me os olhos, obrigada.

    ResponderExcluir
  3. Oi "MandySavoy", obrigada pela visita. Que bom que meus textos estao ajudando, espero que você consiga realizar seu sonho!

    ResponderExcluir
  4. Oi Patrícia, muito obrigada pelo comentário, sabe eu ando pensando muito sobre todo esse processo de imigração, tenho certeza de que ainda tenho muito o que descobrir. O assunto é mais complexo do que eu imaginava quando resolvi me mudar para cá. Rs

    ResponderExcluir
  5. Eu sou super reclamona, admito, mas morro de vergonha de reclamar na frente dos locais, reclamo com outros brasileiros, reclamo com meu marido (que apesar de local) ele me entende, enfim... eu fico com vergonha quando vejo pessoas de outras nacionalidades fazendo esse tipo de comentario, me coloco no lugar outro e penso que eu ficaria vermelha de raiva. Adorei a analogia.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Uma coisa é certa, quanto mais rápido aprendemos a cultura, melhor para nós! ... Assim não passamos por tantos micos! Hehehe ... Eu já me peguei falando várias vezes que as carnes e o café deles não são tão bons como os nossos! hehehehe ... depois de um tempo me toquei tb! hehe ... Mas seguir os conselhos da mãe funciona em todos os países ;)

    Beijão!

    ResponderExcluir
  7. Oi S.W., hehehe só nas iniciais, né? Pois entao, demorou mas a minha ficha caiu, antes tarde do que nunca, né? Mas realmente tem muitas coisas que no Brasil é melhor, assim como aqui tem muitas outras que sao melhores. Cest la vie!

    ResponderExcluir
  8. Oi Danielle, qual sua sugestao pra aprender a cultura mais rápido? Acho que muitas vezes o que acontece comigo é errando até aprender...

    ResponderExcluir
  9. Eu tb já cometi essas gafes de comparar nossa fartura de alimentos com a escasses e pouco sabor de algumas coisas aqui. Porém.. tb escuto coisas que não gosto, como "todos os brasileiros não conseguem ser pontuais". Já ouço que em se tratando de nós brasileiros, não honramos o compromisso com o tempo marcado .. infelizmente para alguns é assim, mas me ofende escutar isso, ser colocada junto no bolo.. sabe como é Marcela?

    ResponderExcluir
  10. Nunca ouvi de noruegueses nada assim. Já ouvi de outros estrangeiros. Acho que muitos aqui sao extremamente educados, no sentido de nao dizer nada de negativo que pensam para quem eles nao sao muito íntimos. Mas isso nao quer dizer que eles nao pensem coisas generalizando a gente. Mas cabe a nós provar o contrário!
    Agora eu estou tentando aprender algo de bom com eles e ficar na minha quando nao gosto de algo aqui. E sao várias coisas. rs

    ResponderExcluir
  11. sim... è sempre bom lembrar os conselhos de mae! Eu reclamos um pouco na frente deles sim, mas tambem reclamo do brasil na frente deles!Tambem elogio muito as coisas que eles tem e nao dao valor. Talvez essa seja a beleza de se conviver conosco (imigrantes)
    adorei a analogia as criancas. e assim que me sinto em reunioes familiares onde nao entendo chongas e nao posso expressar minhas opinioes. poxa...de chorar nao poder se expressar!

    ResponderExcluir
  12. Eu concordo Glenda... Tem horas que cansa não entender e participar de tudo plenamente, né? Mas uma hora isso passa! Uma hora melhora, se não melhorar, piora! Kkkkk
    Com certeza é muito bom estar com alguém que tem um olhar de fora e outros pontos de vista! Aqui em casa eu posso criticar à vontade a Noruega que ninguém se ofende, pelo contrário, até concordam comigo. Mas agora eu tenho tentado segurar minha onda pra não comentar na frente dos outros né, porque eu iria ODIAR ouvir estrangeiros falando mal do Brasil pra mim.

    ResponderExcluir
  13. Olá! Como eu gostei deste post. Sou Portuguesa, vivo na Suécia, e sou culpada de algumas das gaffes que você escreveu... Sobretudo no que respeita à comida e ao shopping. Mas essa analogia faz pensar, porque realmente eu NUNCA criticaria as coisas nas casas de amigos e conhecidos e no entanto apanho-me a mim mesma a ter atitudes "mal educadas" como comparar Portugal à Suécia. Beijo

    http://habitatpalavra.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. oi Joana, fico feliz que o texto causou reflexão. Não se preocupe pois com o tempo vamos aprendendo o que não devemos fazer por terras escandinavas... Eu só estou no começo dessa caminhada.

    ResponderExcluir
  15. Marcela, voltei! Desta vez é só para avisar que linkei para este texto no meu blog, porque eu acho que ele deve ser lido! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Joana! Beijos e volte sempre :)

      Excluir
    2. Olá Marcela, cheguei aqui através do blogue da minha irmã Joana.

      Concordo, em absoluto, com este texto.

      Em Portugal costumamos dizer "em Roma, sê romano" e, realmente, o povo tem razão nos seus provérbios populares.

      Beijinhos

      Excluir
    3. Oi Suzana, lá no Brasil temos o mesmo ditado, vai ver foram os portugueses quem nos ensinaram :)

      Bjs e volte sempre!

      Excluir
  16. Olá Marcela, vim através do blog da Joana, fantástico seu texto! Escrito com lucidez e sensibilidade.
    Sucesso na adaptação.
    Abs
    Márcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Márcia! Te desejo o dobro de volta :)

      Excluir
  17. O q conversar c as visitas??? E como me comportar com um neto de 13 ,anos,q come só o q não ajuda na saúde?Ele está na minha casa.

    ResponderExcluir

Comente aqui!